28 de jun de 2012

Você sabe o que é xilogravura, mas não sabe disso!

"A Lua Vermelha" - xilogravura a três cores
Você sabe o que é xilogravura?
É provável que ache que não. Mas é muito provável que você saiba o que é um carimbo.
Então você sabe, mais ou menos, o que é uma xilogravura!




E como "funciona" um carimbo? Vejamos a imagem acima... Ele tem uma parte alta, o passarinho, onde a tinta encosta, e outra parte baixa, onde a tinta não chega. Se ele fosse "entintado" e pressionado contra o papel, teríamos a ave impressa. E poderíamos fazer isso várias vezes, gerando diversas cópias praticamente iguais. Por isso chamamos o "carimbo" de matriz.
Mas... E na xilogravura?

Aqui vemos as goivas, o rolo de entintar, a tinta e uma espátula.
Abaixo, uma matriz entintada e uma gravura impressa.
Na xilogravura o material mais usado para a matriz é a madeira. É nela que faremos, com goivas ou outras ferramentas, cortes, incisões e entalhes criando assim as partes "altas" e "baixas", construindo figuras, paisagens, ou mesmo imagens abstratas! O limite é a imaginação, a criatividade e a habilidade do artista!
E agora que você já sabe que uma xilogravura é feita com entalhes numa placa de madeira, você vai entender melhor seu nome estranho:  "xilo" quer dizer "madeira" e "gravura" vem de "grafó" e quer dizer "gravar" ou "escrever". Um nome bem auto-explicativo, pelo menos para quem fala grego!

Mais antiga xilogravura conhecida retratando índios brasileiros.
Autor: Johann Froschauer
Historicamente, no Ocidente, a gravura está ligada à imprensa, tanto na parte técnica quanto ideológica: como uma mesma matriz podia gerar diversas cópias, possibilitava-se tanto uma difusão maior da obra como um custo menor, pois não eram, como as pinturas, exemplares únicos. Assim, num primeiro momento, a gravura - e a xilogravura - vão ter um papel funcional, servindo para imprimir e divulgar idéias, livros, imagens... E também objetos mais funcionais, como baralhos ou tecidos de chita! O importante é perceber que, na época, a gravura desempenhou um papel semelhante ao que a internet desempenha hoje.
Porém, conforme surgem novos processos de impressão mais modernos e rápidos, a gravura cada vez mais é destinada somente a fins artísticos.
Atualmente a gravura vem ganhando importância cada vez maior na Arte, se mostrando uma linguagem contemporânea, versátil e democrática. O Brasil inclusive tem contribuído com diversos artistas como Goeldi, Grassmann, Livio Abramo, entre tantos outros que seria impossível nomear.
E não é apenas com artistas que o Brasil contribui: é fundamental citar que os brasileiros já desenvolveram estilos e linguagens próprios. Uma delas é o cordel, originalmente usado como simples forma de impressão de baixo custo, mas que já atingiu maturidade e virou linguagem artística como pode-se ver nas gravuras de J. Borges, por exemplo.




Busquei fazer uma introdução bastante superficial sobre o tema pois percebo que o assunto ainda gera muitas dúvidas! Espero ter conseguido esclarecer um pouco mais a questão, e fico à disposição para dúvidas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário